Halloween Costume ideas 2015

JSD Odivelas em Kont@cto

Últimos Artigos
18 Anos Odivelas 38º Congresso PSD Actividades Administração Pública Alexandra Costa Ana Catarina Gomes António Costa Antonio Dias António Guterres As histórias de uma terra milenar Assembleia Municipal Odivelas Associações de Estudantes Áutárquicas Banco de Voluntariado Bruno Duarte Bruno Veiga Câmara Municipal de Odivelas Carla Nazareth Carla Sofia Marcelino Castelo de Vide Catarina Silva Comissão Política Comunicação Comunicado Comunicado JSD Odivelas Conselho Municipal da Juventude Crónica Daniela Chaves Daniela Duarte David Castro David Freitas David Pereira de Castro Débora Pereira Diogo Godinho Diogo Sousa Dívida Pública Educação Eleições Autárquicas Élia Capitão Em Kontacto Ensino Secundário Ensino superior Estamos Juntos Europa Falta de Ética Fernando Seara Filipe Moreira Filipe Sanches Finanças Públicas Formação Francisco Sá Carneiro Gabriel Faria Gonçalo Teixeira da Silva Guilherme Duarte Guilherme Prazeres Habita Aqui Hélder Silva Helga Afonso Helga Afonso e Aftab Tayob Inês Abrantes Inês Fonseca Joana Batista João Alcobia João Correas João Correia José Ricardo Dâmaso Jovem Autarca Jovens em Rede JSD JSD Distrital de Lisboa JSD Odivelas Juventude Juventude Social Democrata Liliana Batista Lisboa Manifesta-te Manuel Pereira Marco Almeida Margarida Balseiro Lopes Maria Inês Almeida Maria Luís Albuquerque Marisa Terenas Marta Pinto Mês da Cidadania Activa Mosteiro de Odivelas Nações Unidas NESD Secundário Odivelas ONU Opinião Orçamento para a Juventude Participação Política Partido Social Democrata Partido Socialista Paulo Pinheiro Pedro Cardoso Pedro Passos Coelho Pedro Roberto Pedro Roberto e Filipe Sanches Pedro Santana Lopes Plenário Concelhio Por um PSD mais PPD Portugal Programa Proposta de Recomendação PSD PSD Odivelas Recolha de Bens Regresso às Aulas em Grande Ricardo David Ricardo David e Tiago Duarte Robert Schuman Rodolfo Cardoso Rodrigo Pereira SOS J Tânia Bragança Tatiana Azenha Tiago Gonçalves Duarte Unir o Partido Ganhar o País Universidade de Verão 2017 Universidade de Verão 2018 UV Voluntariado Jovem



Esta é uma data bastante importante para todos nós, estudantes, ainda para mais no contexto pandémico que vivemos, em que nos tivemos e continuamos a adaptar a uma série de condicionantes que não estávamos de todo habituados.

Mas antes de qualquer reflexão em relação a esta data, importa falar um pouco sobre a sua história. Em Portugal, o Dia Nacional do Estudante, foi promulgado pela Assembleia da República em 1987 e é comemorado todos os anos, no dia 24 de março. 

Esta, não é somente uma data comemorativa, é também um dia de luta e homenagem às dificuldades e obstáculos que os estudantes enfrentaram na crise académica dos anos 60. Para muitos torna-se impossível falar sobre a importância de assinalar esta data, sem antes referir dois episódios marcantes.

Em primeiro lugar, a crise académica de 1962, que começou no dia 24 de março quando o governo de Salazar proibiu as comemorações do Dia do Estudante e milhares de estudantes concentraram-se na Cidade Universitária em Lisboa, em protesto às deliberações do Ministro da Educação. É considerado um dos principais momentos de conflito entre os estudantes universitários e o regime do Estado Novo. Nos dias que se seguiram, vários estudantes fizeram greve geral às aulas e centenas acabaram por ser detidos.

Em segundo lugar, a crise académica de 1969 que começou dia 17 de abril quando não foi permitido aos estudantes o uso da palavra durante a inauguração do edifício das matemáticas. Os estudantes da Universidade de Coimbra que já estavam em protesto contra o regime exigindo a democratização do ensino superior, invadiram a sala onde decorria a inauguração. O Ministro da Educação e o reitor da Universidade de Coimbra acabaram por se demitir e vários estudantes foram forçados a seguir para a guerra do ultramar.

De uma forma muito simples e sucinta, até porque havia bem mais para dizer, olhando para as duas crises académicas mencionadas acima, pode ser esclarecida a razão que leva inúmeras federações e associações académicas e de estudantes a comemorar este dia, em homenagem ao espírito dos estudantes que lutaram contra a opressão na década de 60.

Nos dias de hoje, a comunidade estudantil encara uma realidade diferente, mas ainda assim, complexa. Em 2020 todos nós, estudantes, assistimos a uma reinvenção “forçada” no modo e método de ensino, não só em Portugal, mas também por todo o mundo fora. Podemos mesmo falar de uma mudança radical que pelos motivos óbvios, não foi planeada. São tempos difíceis estes, que os estudantes enfrentam, estando longe de imaginar há pouco mais de um ano, que as nossas instituições de ensino viriam a ser substituídas pela plataforma zoom, e que todos os trabalhos de grupo e convívios viriam a ser realizados à distância. 

Creio que esta nova realidade de ensino, face à situação pandémica que vivemos, fica especialmente marcada pelas dificuldades e obstáculos na aprendizagem que os estudantes enfrentam, mas também pelas desigualdades sociais que se tornam mais evidentes, como a falta de acesso a materiais tecnológicos para acompanhar as aulas ou mesmo, a falta de condições em casa para assistir às mesmas. Não podemos ser indiferentes a esta situação. Numa era em que o acesso universal à educação é cada vez mais defendido, os relatos de assimetrias no acesso ao ensino à distância são preocupantes. Tal como a Constituição da República Portuguesa refere, o Estado deve garantir o acesso a uma escola de qualidade independentemente do estatuto económico e social das famílias. E a verdade é que a capacidade que estas têm ou não para dar apoio aos seus educandos tem bastante impacto na sua aprendizagem. Capacidades estas que passam pela possibilidade financeira de pagar explicações ou a própria aptidão para conseguir explicar as matérias escolares aos filhos ou ainda, o tempo disponível para ajudar nos trabalhos de casa, falamos assim de recursos financeiros, conhecimentos e tempo, necessários e cruciais para um ensino de qualidade. 

Para que não nos esqueçamos, já Kant dizia “o Homem não é nada além daquilo que a educação faz dele”. O ensino à distância pura e simplesmente não substitui o ensino presencial e este tem vindo a acentuar desigualdades no aproveitamento dos alunos, precisamente o oposto do pretendido num sistema de ensino.

Que estes tempos infelizes para toda a comunidade estudantil desapareçam rápido, e que em breve, estejamos todos juntos nas diversas instituições de ensino a aprender, a crescer e a viver… em bom!

 





Sábado, 2 de janeiro

·       Marcelo Rebelo de Sousa - Marisa Matias | RTP1

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e515394/presidenciais-2021-debates

·       João Ferreira - André Ventura | TVI24

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e515977/presidenciais-2021-debates

 

Domingo, 3 de janeiro

·       Marcelo Rebelo de Sousa - Tiago Mayan | RTP1

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e515653/presidenciais-2021-debates

 

Segunda-feira, 4 de janeiro

·       Marcelo Rebelo de Sousa - João Ferreira | TVI

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e515986/presidenciais-2021-debates

 

·       Marisa Matias - Ana Gomes | SIC Notícias

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e515989/presidenciais-2021-debates

 

·       Vitorino Silva - André Ventura | RTP3

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e515839/presidenciais-2021-debates

 

Terça-feira, 5 de janeiro 

·       João Ferreira - Ana Gomes | RTP

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516055/presidenciais-2021-debates

 

·       André Ventura - Tiago Mayan | SICN

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516099/presidenciais-2021-debates

 

·       Vitorino Silva - Marisa Matias | RTP3

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516101/presidenciais-2021-debates

 

Quarta-feira, 6 de janeiro

·       João Ferreira - Tiago Mayan | TVI24

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516351/presidenciais-2021-debates

 

·       Marcelo Rebelo de Sousa - André Ventura | SIC

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516360/presidenciais-2021-debates

 

·       Vitorino Silva - Ana Gomes | RTP3

      Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516862/presidenciais-2021-debates


 

Quinta-feira, 7 de janeiro

·       Ana Gomes - Tiago Mayan | TVI24

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516580/presidenciais-2021-debates

 

·       Marisa Matias - André Ventura | SIC

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516600/presidenciais-2021-debates

 

·       Vitorino Silva - Marcelo Rebelo de Sousa| RTP3

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516776/presidenciais-2021-debates

 

Sexta-feira, 8 de janeiro

·       Ana Gomes - André Ventura | TVI

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516826/presidenciais-2021-debates

 

·       Marisa Matias - João Ferreira | RTP

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516744/presidenciais-2021-debate

 

·       Vitorino Silva - Tiago Mayan | RTP3

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516828/presidenciais-2021-debates

 

Sábado, 9 de janeiro

·       Marcelo Rebelo de Sousa - Ana Gomes | RTP1

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516862/presidenciais-2021-debates

 

·       Marisa Matias - Tiago Mayan | SIC Notícias

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/e516927/presidenciais-2021-debates

 

·       Vitorino Silva - João Ferreira | RTP3

Link: https://www.rtp.pt/play/p8201/presidenciais-2021-debates

 

Terça-feira, 12 de janeiro

·       Debate com todos os candidatos | RTP

Link:https://www.rtp.pt/play/p8311/presidenciais-2021-debate-com-todos-os-candidatos













Nos últimos dias fomos de novo surpreendidos com mais uma iniciativa que choca com a realidade e, principalmente, com as prioridades que deveriam estar em cima da mesa nos dias de hoje.

A verdade é que, neste ano atípico de 2020, são já 57.702,00€ gastos pela CM Odivelas em dois contratos públicos:


1)     Aquisição e instalação da Mascote de Odivelas, Cidade Europeia do Desporto 2020 - “Urso Dinis”, na rotunda junto ao Centro Comercial Strada, no valor de 13.200,00€.

 

2)     Aquisição e instalação de letras monumentais na rotunda do Senhor Roubado, onde diz “Odivelas Cidade Europeia do Desporto 2020”, no valor de 44.502,00€.

 

A questão que se sucede é: Não haverão outras prioridades?

O ano de 2020 não será facilmente esquecido no nosso concelho. Um ano marcado pela crise sanitária mas que rapidamente degenerou numa crise económica e social. Espelho disso são os recentes números publicados pelo IEFP que demonstram que o número de desempregados no concelho de Odivelas em outubro de 2020 cresceu 105,4% face ao mesmo mês do ano passado, sendo Odivelas o município com a situação mais dramática em toda a Área Metropolitana de Lisboa.

É notório a falta de estratégia, ação e ambição deste executivo municipal para uma real política de combate aos efeitos gerados pela pandemia. Outros concelhos por este país fora avançam, sem medo, com medidas de apoio às famílias e comércio local e sendo Odivelas um concelho de alto risco, e por isso, com medidas restritivas, o que se tem feito para inverter esta situação?

A resposta é simples: pouco ou quase nada.

Por isso, é do senso comum que os quase 60.000,00€ dispensados em nada beneficiou diretamente os Odivelenses.

Uma aplicação mais lógica desta verba seria a sua utilização para o bem dos cidadãos odivelenses, como meio de financiamento de algumas medidas sociais e económicas necessárias e urgentes:

 

A.     Distribuição de máscaras e álcool em gel pela população mais carenciada do concelho;

 

B.     A criação de zonas de testes livres à Covid-19 e acessíveis a todos;

 

C.     Apoios ao comércio local, incentivar a população a fazer as suas compras nas lojas de comércio local;

 

D.    Apoio ao setor da restauração com a criação de uma parceria com os restaurantes do município para a criação de uma plataforma municipal de entregas de refeições ao domicílio nos dias de recolhimento obrigatório e em que o custo da mesma fosse suportada pelo município.


Odivelas, uma cidade jovem e multicultural, necessita de ter atividades interativas e dinâmicas, obviamente, mas a prioridade é ouvir quem neste Município vive, e procurar saber quais são as suas necessidades reais.

Assume-se que quem governa tem o dever de definir prioridades e saber gerir onde aplicar o dinheiro dos munícipes. Esta é a prova que CMO não tem como prioridade apoiar diretamente a sua população, mas sim utilizar o dinheiro do município para fins de propaganda política.

Urgente definir-se prioridades que vão ao encontro dos anseios dos odivelenses.






JSD Odivelas

Formulário de contacto

Nome

Email *

Mensagem *

Com tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget